Translate

Etiquetas

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Os leites em pó são todos iguais?

Sempre que não seja possível manter o aleitamento materno, os bebés devem ser alimentados com um leite adaptado à sua idade (também chamados de "leites de farmácia" ou "leites em pó").
Relativamente às diferentes marcas, não me vou debruçar muito, pois esse tipo de discussão sai fora do âmbito deste blogue. A composição dos diferentes leites é bastante semelhante, embora existam algumas diferenças entre elas, que penso que deve discutir com o médico assistente do seu filho.
Quanto aos diferentes tipos de leite, penso que vale a pena explicar alguns conceitos.
Os leites "normais" são os mais adequados para a maior parte dos bebés, pelo que serão aqueles a usar na maioria das situações. Para além destes, existem outros leites que têm características próprias, as quais resumo seguidamente.

Leites hipoalergénicos
Estes leites existem com duas formulações distintas: 1) leites com a designação HA (não são verdadeiramente hipoalergénicos), que servem para prevenção da alergia às proteínas do leite de vaca; 2) leites extensamente hidrolisados, indicados para o tratamento e também para prevenção da dita alergia.
Estes leites têm indicações específicas, pelo que não devem ser utilizados se não forem necessários. Exceptuando os casos confirmados de alergia às proteínas do leite de vaca, a sua principal indicação é quando existe um risco familiar de alergia, ou seja, quando os familiares em 1º grau têm alergias, asma e/ou rinite alérgica comprovadas. Podem também ser usados como experiência nos bebés com muitas cólicas, mas nessas situações o melhor é falar primeiro com o médico assistente do seu filhote.

Leites anti-regurgitação
Estes leites têm a designação de AR e têm como principal indicação os bebés muito bolçadores. A maior parte não altera significativamente o trânsito intestinal do bebé, mas se isso acontecer pode ter que experimentar um leite de outra marca.

Leites anti-cólicas
Geralmente têm a designação AC, Confort ou Digest e, tal como já foi referido no post sobre cólicas, têm uma eficácia variável. No entanto, parece-me lícito o seu uso nos bebés que não estão amamentados exclusivamente ao peito e que sejam muito "chorões".

Leites anti-obstipação
Estes leites têm a designação AO e têm também uma eficácia variável. Tal como para os leites anti-cólicas, acho que o seu uso é aconselhável como experiência nos bebés que estejam alimentados com leite adaptado e que tenham "prisão de ventre".

Os restantes leites (para prematuros, leites sem lactose ou dietas semi-elementares) têm indicações muito precisas, que devem sempre ser discutidas com o médico assistente do seu filho.

domingo, 28 de agosto de 2011

Não consigo que o meu filho arrote...

Geralmente existe uma grande preocupação dos pais quando os seus filhotes não conseguem arrotar.
Por esse facto, é fundamental esclarecer alguns aspectos...
O primeiro é que o "arroto" tem dois objectivos principais: 1) diminuir o desconforto do bebé pela acumulação de gases; 2) impedir ou diminuir a probabilidade do bebé bolçar ou vomitar.
O segundo é que não existe nenhuma posição "mágica" que ajude os bebés a arrotar. O que é certo é que o movimento ajuda o ar a mexer-se, pelo que as pancadinhas nas costas e a mudança de colo são geralmente "armas" a utilizar. Experimente colocar o seu filhote ao ombro, sentado ou mais "de bruços" para ver qual é a posição que resulta melhor...
O terceiro tem a ver com a noção errada de que os bebés não arrotam quando estão a dormir. Tal não é verdade, pelo que mesmo que o seu filho adormeça, deve continuar a insistir para que arrote.
O quarto prende-se com o tempo que se deve esperar pelo "arroto". Aqui também não há nenhuma regra universal, portanto deve imperar o bom senso. Durante a noite, como o seu filho vai estar deitado durante mais tempo, se calhar vale a pena insistir. Não desista logo ao fim de 5-10 minutos...
Por fim, é importante relembrar que todos os bebés são diferentes e que há alguns que arrotam facilmente e outros de modo mais difícil, bem como há os que choram mais e os que choram menos, os que mamam melhor e os que mamam pior, etc.
A cultura popular diz que todas as pessoas devem arrotar 3 vezes depois de comer, mas não sei se isto tem algum tipo de fundamento. A maior parte dos bebés arrotam uma ou, por no máximo, duas vezes e isso é o suficiente...

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Quando posso pôr o meu filho na piscina?

Neste assunto eu não costumo "intrometer-me" muito, pois penso que deve ser uma decisão dos pais.
No entanto, há alguns pontos que eu acho que devem ser reforçados:
1) A qualidade e temperatura adequada da água devem ser garantidos;
2) Se o seu filhote começar a fazer otites de repetição, pode ser indicado suspender a piscina;
3) Não deve "baixar guardas" no que respeita à vigilância do seu filho no futuro (sobre este assunto, é importante frisar que um estudo da Academia Americana de Pediatria concluiu que a maior parte dos acidentes por afogamento ocorriam com crianças que andavam na natação desde idades inferiores a 3 anos, pois os pais estavam mais "descansados" e vigiavam-nos pior)
Salvaguardando estes três ponos, penso que não existe nenhum inconveniente em levar o seu filhote para a piscina...

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Quando devo colocar o meu filho a dormir no quarto dele?

Este é um tema em que não há nenhuma resposta consensual...
No entanto, é aconselhável que o seu filho se mantenha no quarto dos pais pelo menos até aos 6 meses, pois está provado que isso é um factor protector da Síndroma da Morte Súbita.
Até há pouco tempo, as recomendações diziam que a partir dessa idade os bebés deviam ir para o seu quarto, mas hoje em dia isso não é tão rigoroso. O que se aconselha é que a partir dos 6 meses os bebés podem passar a dormir em quarto próprio, na altura em que os pais entenderem que seja mais conveniente para todos.
Claro que convém não se pode esquecer que quanto mais tarde fizer essa mudança, mais difícil poderá ser a a adaptação do bebé, pelo que não deve atrasar muito essa decisão.

É normal os bebés terem soluços?

É muito frequente os bebés soluçarem.
Na maior parte das vezes, isso deve-se a não conseguirem arrotar muito bem, pelo que insistir no "arroto" é o melhor modo de prevenção.
Apesar de poder ser um bocadinho incomodativo para o seu filhote, não tem nenhum problema ele soluçar, portanto não se preocupe, até porque não há nada a fazer que seja eficaz.
Aliás, se se recordar da gravidez, provavelmente já na sua barriga ele fazia destas coisas...

sábado, 20 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço (3-5 anos)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Junte-se ao seu filho nas brincadeiras do “faz-de-conta”…
  • Limite o tempo de televisão.
  • Tente vê-la com o seu filho para que possam falar sobre o que acontece.
  • Crie o hábito de ler uma história ao deitar.
  • Ler livros é uma maneira óptima de ajudar o seu filho a desenvolver a linguagem.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço (2-3 anos)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • A conversa agora é muito mais equilibrada.
  • A criança já não é um aprendiz da linguagem mas sim um companheiro de conversa.
  • Dê-lhe tempo para falar, ouvir e responder-lhe. Ele adora passar tempo consigo a ler livros, cantar e falar de actividades.
  • Use fantoches, personagens de histórias infantis e ilustrações para entusiasmar o seu filho a gostar que lhe leia histórias.
  • É bom ler os livros favoritos juntos várias vezes. Isso ajuda a criança a compreender e a lembrar a linguagem ouvida.

domingo, 14 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço (18-24 meses)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Mostre interesse, sorria em resposta às tentativas de comunicação do seu filho!
  • Repita e reforce as palavras do seu filho.
  • Tenha paciência e não insista em que diga logo as palavras correctamente.
  • Dê-lhe tempo. É melhor voltar a repetir a palavra do que corrigi-la.
  • Quando estiverem juntos a ler um livro, aponte algumas coisas que vê, refira pormenores e questione.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço (12-18 meses)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Crie um tempo diário de brincadeira a dois, concentrando-se apenas no que o seu filho quer fazer.
  • Este tempo de brincadeira não deve ter distracções (desligue a televisão, rádio, …)
  • Questione a criança, dê-lhe alternativas de resposta e aproveite para enriquecer e expandir a conversa.
  • Tente falar sobre coisas em que o seu filho mostra interesse.
  • Ao brincar faça muitos sons para acompanhar o que está a acontecer.

Conversar desde o Berço (9-12 meses)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Fale muitas vezes com o bebé. Ele aprende só de ouvir!
  • Use uma linguagem clara e bem articulada, sem distorcer as palavras ou usar diminutivos.
  • Leia-lhe em voz alta! Sente-se confortavelmente e leia livros com ilustrações grandes e simples ou fale sobre fotografias.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço (6-9 meses)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Fale pausadamente palavras soltas ou frases curtas.
  • Fale do que está a fazer durante o dia, quando lhe estiver a dar banho, vestir, comer ou a mudar-lhe a fralda…
  • Escute e responda aos sons do seu filho. Se lhe soar a uma palavra, repita-a.
  • É a idade ideal para histórias simples, rimas e cantilenas.
  • Mostre-lhe livros com imagens. Aponte-lhe os objectos e diga os seus nomes.

Conversar desde o Berço (3-6 meses)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Fale com o bebé!
  • Se o bebé usa chupeta, tire-a durante estas “primeiras conversas”…
  • Divirta-se com rimas de crianças e canções, especialmente as que têm acções.
  • Cante e mude o tom da sua voz, faça gestos ou inclua o nome do seu filho ou dos familiares e amigos.

domingo, 7 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço (0-3 meses)

Como estimular a linguagem do seu filho?
  • Olhe, fixe, fale, cante e sorria para o seu bebé!
  • Imite e responda aos barulhos e ao balbuciar do seu bebé: ele está a falar consigo!
  • Observe o seu bebé enquanto fala e dê-lhe tempo para responder!
  • Faça jogos de “caretas”: deite a língua de fora, pisque os olhos, tussa ou boceje!

sábado, 6 de agosto de 2011

Conversar desde o Berço - Estimulação da linguagem do bebé

O projecto "Conversar desde o Berço" visa estimular a linguagem em crianças dos 0 aos 5 anos e foi desenvolvido pela Drª Fátima Pinto e Drª Luísa Neiva Araújo, com a colaboração da Drª Maria Fontes de Carvalho, e o apoio da Secção de Pediatria Ambulatória da Sociedade Portuguesa de Pediatria e do Alto Comissariado da Saúde.
Nele estão incluídas uma série de medidas simples, divididas por idades, que pretendem ajudar os pais na difícil tarefa de saber como fazer uma estimulação correcta dos seus filhotes.
Nos posts seguintes passo a expôr essas medidas...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

O meu filho já tem dentes - o que fazer?

Em 2005 a Direcção-Geral de Saúde publicou um conjunto de normas entituladas "Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral". Nesse documento estão descritos os procedimentos a adoptar para cada faixa etária, desde o nascimento até ao fim da adolescência, de forma a melhorar os nosso índices de saúde oral.
Assim, actualmente já não é recomendada a suplementação dos bebés com flúor, mas está indicado que se começem a lavar os dentes desde o seu aparecimento. Deve utilizar uma escova de bebé macia, uma dedeira ou uma compressa e deve lavar os dentes do seu filhote 2 vezes por dia, sendo que uma delas terá que ser obrigatoriamente depois da última refeição/mamada. Deve utilizar uma pasta de dentes com 1000-1500ppm de flúor (veja no rótulo, que lá está especificado), pelo que não há problema nenhum em usar uma pasta de adultos. A quantidade de pasta a colocar é muito reduzida, igual à unha do dedo mindinho da mão da criança, sendo que não há problema se ele engolir algum bocado.
Só a partir dos 3 anos é que vale a pena utilizar suplementação de flúor, mas sempre sob a forma de aplicação local (bochechos com elixires fluoretados).
Em paralelo com estas medidas, é fundamental não esquecer que os dentes devem ser bem escovados, incluindo todas as suas faces e não apenas a externa. Por fim, não se deve esquecer de escovar também a língua.
Faça uma boa higiene oral ao seu filho e habitue-o a isso desde o surgimento do primeiro dentinho!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Alimentação "social"

Chegou a grande altura de começar a deixar o seu filho comer da sua comida.
Por volta dos 12 meses, as crianças devem começar a ter o que se chama uma "alimentação social", pelo que deixa de ser necessário fazer comida específica para elas. Se o seu pequenote ainda só come sopa e fruta, aproveite para o ir habituando a comer um bocadinho de comida entre as duas. Tente que ele vá comendo a sopa com pedaços e a fruta por passar, para ele ir aprendendo a mastigar os alimentos.
A partir de agora deixa de haver restrições alimentares para o seu filho, sendo importante reforçar a ideia de que ele deve ter sempre uma alimentação saudável (que não deve incluir gorduras, fritos, sumos, chocolates e doces).
Nota prática: Aproveite esta altura para reduzir a quantidade de sal que põe na sua comida, pois isso acaba por ser benéfico para todos os membros da família. Aproveite ainda para incutir hábitos de uma alimentação saudável para toda a gente, já que esta é uma grande oportunidade de mudança.
Há ainda muitos pais que iniciam leite de vaca (igual ao consumido pelos adultos ou leites especiais "de crescimento") aos seus filhos a partir desta idade. Contudo, tal não é, de facto, o mais indicado. As recomendações da OMS e da Unicef referem que o ideal é manter o leite materno até aos 2 anos e a Sociedade Europeia de Nutrição Infantil (ESPGHAN) esclarece que até aos 3 anos o melhor para as crianças é manterem um leite "de pó" (etapa 3). Se possível, são essas as orientações que deve seguir para o seu filho.
Deve ainda manter os iogurtes de leite adaptado, pelo menos até aos 18 meses.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Novos alimentos: como eu faço… (parte III)

Chegaram os 9 meses e a partir dagora vamos aumentar o leque de alimentos a que o seu filho tem direito...
Relativamente à sopa, pode começar a introduzir o nabo, espinafres, agriões e beterraba (ficam apenas por introduzir as leguminosas).
Nota prática: Não deve congelar as sopas que tenham espinafres.
Pode alternar a carne na sopa com o peixe (tenha muita atenção às espinhas), iniciando com os peixes brancos e magros (pescada, badejo) e, posteriormente, introduzindo os peixes gordos (cherne, salmão, ...). Chegou também a altura do seu filhote experimentar a gema do ovo (a clara fica para depois dos 12 meses). Pode fazê-lo dando-lhe meia gema cozida 2 vezes por semana, misturada na sopa ou em separado. Deve apenas ter o cuidado de dá-la como substituição da carne ou peixe e não em conjunto...
Nota prática: Não tem problema dar peixe congelado ao seu filho.
Também em relação à fruta, pode liberalizar a sua diversificação, sendo que eu deixaria apenas de lado o ananás e o kiwi. Quanto aos frutos vermelhos e ao pêssego, pode começar a introduzir, mas sempre em pequena quantidade inicialmente.
Ao lanche, pode substituir o leite ou papa pelos iogurtes (em dias alternados), de preferência os feitos com leite adaptado ("O meu Primeiro Danone" ou "Nestlé", por exemplo). Deve evitar as refeições lácteas à base de queijo ("Suissinhos" ou "Danoninhos", por exemplo), pois não são as mais adequadas. É provável que nesta altura o seu filho coma 2 iogurtes por refeição e isso não tem nenhum problema.
Nota prática: Não deve dar iogurtes à sobremesa, pois diminuem a absorção de ferro e aumentam a probabilidade de surgir uma anemia.
Dependendo da sua segurança e do número de dentes que o seu pequenote tem, pode começar a experimentar dar-lhe um pouco de comida depois da sopa: batata cozida esmagada com peixe, açorda de carne ou peixe, farinha de pau, arroz ou massa bem cozidos, ... Mal ele passe a comer de forma sistemática um pratinho de sobremesa de comida após a sopa, contendo a quantidade de carne ou peixe que costuma utilizar, a sopa passará a ser constituída apenas por legumes, sem carne ou peixe.
Nota prática: Por volta dos 10-11 meses, pode começar a passar progressivamente menos a sopa, de forma a tentarmos que o bebé passe a comer uma sopa com pedaços por volta dos 12-15 meses.
Já reparou como o seu "pequeno" está a ficar "grande"?