Translate

Etiquetas

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Medicamentos para a febre - doses pediátricas

Os medicamentos para a febre são os mais usados em Pediatria, mas muitas vezes não são dados nas doses mais correctas. Assim, decidi escrever este post para ajudar os pais a não medicarem em excesso nem por defeito os seus filhotes.
Relativamente ao xarope de paracetamol (Ben-u-ron ou Panasorbe), a dose é de 15 mg por cada kg de peso, podendo ser repetida a cada 6 horas, caso necessário. Assim, é importante esclarecer que cada ml de xarope de Ben-u-ron tem 40mg de paracetamol, enquanto cada ml de Panasorbe possui apenas 32mg, o que faz com que a quantidade de cada xarope seja obrigatoriamente diferente para o mesmo peso. Quanto aos supositórios, deve usar os de 125mg até aos 9kg de peso e os de 250mg posteriormente. Existem também supositórios de 325mg (Parsel), que podem ser usados a partir dos 20kg.
Em relação ao ibuprofeno (Brufen ou Nurofen), a dose é de 5 a 7mg por cada kg de peso, podendo repetir a cada 8 horas. Neste caso os xaropes têm sempre a mesma dosagem, com a concentração de 20mg por cada ml. Existem ainda no mercado supositórios de ibuprofeno (Ib-u-ron), nas doses de 75mg (até aos 10kg de peso) e 150mg (a partir dos 10kg).
Não se esqueça que sempre que se dá medicação a uma criança é importante ter em atenção a dose e o intervalo entre as administrações, de forma a garantir a maior segurança possível.
Caso tenha alguma dúvida, pergunte ao médico assistente do seu filho, pois é a pessoa mais indicada para o esclarecer...

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Como escolher os cremes do bebé?

Esta é uma área da Pediatria cuja oferta é enorme. Existem cremes para todos os gostos, mas é importante realçar alguns aspectos.
O primeiro é que todos os cremes, por melhores que sejam, contêm substâncias estranhas ao organismo (produtos químicos), particularmente aqueles que contêm perfumes.
O segundo é que a capacidade que eles têm de evitar a perda de água da pele é tanto maior quanto mais gordo o creme seja.
Sendo assim, eu penso que o ideal é escolher um creme sem cheiro (para peles atópicas), mesmo que o seu filho não tenha nenhum tipo de risco alérgico. Muitas vezes os pais procuram o "cheirinho de bebé", mas esquecem-se que estão a sobrecarregar a pele com químicos desnecessários.
Outro ponto que eu considero importante é que a maior parte dos bebés não têm pele desidratada, pelo que não me parece que seja necessário colocar creme hidratante todos os dias. Assim, julgo que só vale a pena fazê-lo se o seu filhote estiver claramente com pele seca ou se lhe quiser fazer uma massagem, porque de resto não é preciso andar a "besuntá-lo" sempre depois do banho (lembre-se que o seu filho bebe uma quantidade muito grande de líquidos).
O mesmo princípio se aplica para a zona das fraldas, pois só deve colocar creme no "rabinho" se ele estiver vermelho. Se estiver bem, não precisa de colocar nada.
Como conclusão, penso que a principal mensagem é a de que não há necessidade andar a pôr cremes aos bebés por rotina, apesar de esse ser já um hábito bastante enraizado na nossa cultura...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Programa Nacional de Vacinação de 2012



As principais alterações ao Programa Nacional de Vacinação de 2006 são as seguintes:
  1. substituição das 3 doses de vacina anti-meningocócica C ("vacina das meningites") por uma única dose aos 12 meses
  2. antecipação da VASPR (vacina contra o sarampo, papeira e rubéola) dos 15 para os 12 meses de idade
  3. cessação da campanha de vacinação contra o papilomavírus humano às adolescentes com 17 anos de idade
O novo Programa Nacional de Vacinação, aprovado pelo Despacho nº 17067/2011 do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, datado de 7 de Dezembro de 2011 e publicado no Diário da República, 2ª série - nº 243 - de 21 de Dezembro de 2011, entra em vigor a 1 de Janeiro de 2012 e vem substituir o Programa Nacional de Vacinação de 2006.

Pode consultar o documento da Direcção-Geral da Saúde no seguinte link:


quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Plagiocefalia - o que é?

A plagiocefalia é o termo médico que designa uma assimetria da cabeça, com "achatamento" da parte posterior do crânio de um dos lados.
É uma situação bastante comum e que tem aumentado nos últimos anos, devido às indicações formais para os bebés dormirem de barriga para cima, de forma a prevenir a Síndrome da Morte Súbita do lactente (ver post sobre este assunto).
Acontece naturalmente, porque quase todos os bebés acabam por ter uma posição preferencial da cabeça em rotação para um dos lados, motivada pela postura adoptada enquanto ainda estavam dentro da barriga da mãe. Com a manutenção dessa "tendência", acabam por apoiar mais um dos lados da parte posterior do crânio, o que leva à assimetria que se pode ver na imagem abaixo.
Apesar de ser frequente, penso que se trata de uma situação que deve sempre ser objecto de observação médica, pois há alguns casos em que a plagiocefalia se pode dever a outras alterações, nomeadamente:
- torcicolo congénito - nesta situação o bebé não consegue rodar a cabeça para um dos lados, o que leva à posição "viciada" (implicação intervenção precoce)
- fecho prematuro de uma sutura (ligação entre os ossos do crânio) - aqui existem assimetrias evidentes a nível dos ossos da face (incluindo desvio do nariz) e requer uma abordagem mais urgente
Deste modo, se notar que o seu filho tem uma plagiocefalia, refira isso ao médico assistente, para se poder proceder a uma avaliação mais cuidada.
Na maior parte das vezes a situação resolve-se espontaneamente, sem necessidade de nenhum tratamento específico, bastando estimular mais o bebé do lado "não preferencial" (com brinquedos, colocando o berço de forma a que ele tenha que se virar para esse lado para observar a mãe quando está a dormir, ...). A partir dos 6-7 meses, com a adopção da postura sentada, os bebés acabam por estar muito menos tempo deitados e o crânio volta à sua forma original. De qualquer forma, volto a frisar que isso acontece quando se trata de uma plagiocefalia posicional ou postural, pelo que é sempre necessário a exclusão de outras causas.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Como se deve limpar as orelhas dos bebés?

As orelhas são orifícios naturais do organismo, sendo "portas" para a possível entrada de micróbios.
Por esse motivo produzimos cera, para dificultar a invasão dos microorganismos. Apesar de não ser algo agradável, trata-se de um mecanismo de defesa extremamente útil e que serve apenas para nos proteger.
Assim, é fácil entender que não se deve usar cotonetes. Para além de estarmos a contrariar uma defesa natural, tem ainda a desvantagem de ser uma maneira muito pouco eficaz de fazer a limpeza. Com efeito, as cotonetas empurram a cera para dentro do ouvido, correndo o risco de criar pequenas "rolhas" que depois o organismo não é capaz de eliminar sozinho.
Deste modo, deve apenas limpar as orelhas do seu filhote com a ponta da toalha e apenas a porção mais exterior. O resto da cera fica a desempenhar a sua função protectora...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Quando é que as crianças devem ir ao Dentista pela primeira vez?

Não existem recomendações formais que respondam a esta questão, mas há alguns pontos que é preciso reforçar.
No meu hospital (Viana do Castelo), realizamos um estudo com pais de crianças em idade pré-escolar para determinar quais os hábitos de higiene oral dos seus ilhos. Relativamente a esta questão da 1ª ida ao Dentista, a grande maioria referiu que deve acontecer apenas quando as crianças começam a ter os dentes definitivos ou, pior ainda, quando surgirem as primeiras cáries. Este conceito é profundamente errado, pois a grande vantagem de ir ao Dentista é prevenir problemas futuros ou então detectá-los precocemente.
Assim, torna-se importante frisar que:
- os dentes devem ser observados antes de desenvolverem cáries
- os dentes de leite também precisam de ser tratados quando têm problemas (e não apenas os definitivos)
- é muito frequente surgirem cáries nos dentes de leite, muitas vezes motivadas por uma má higiene oral
- existem problemas dentários diferentes das cáries, tais como má oclusão ("dentes tortos"), problemas na formação do esmalte e tártaro, entre outros, que precisam de orientação por especialista
- existem tratamentos preventivos (selantes), que impedem a formação de cáries
Deste modo, penso que a altura ideal para se ir ao Dentista pela primeira vez deverá ser entre os 2 e os 3 anos, até porque se a primeira experiência não for dolorosa, torna-se mais fácil a colaboração futura (se a primeira ida for para tratar uma cárie, é muito provável que o seu filho ganhe algum medo, porque por vezes o procedimento não é muito agradável).

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Começa hoje programa para incentivar consumo de fruta nas escolas

A Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI) inicia hoje nas escolas um programa educativo para incentivar o consumo de fruta no lanche escolar nos jardins-de-infância e escolas do primeiro ciclo.

Confira a notícia completa no seguinte link: