Translate

Etiquetas

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O meu filho não toma xaropes - o que posso fazer?

Infelizmente não existe nenhuma resposta muito certa para esta questão, mas há alguns conselhos que podem ser discutidos.
O pior que se pode fazer quando uma criança não toma a medicação é tentar dar uma grande quantidade de uma só vez, porque de certeza que vai cuspir grande parte. Assim, é sempre boa opção tentar dar o xarope aos bocadinhos e, para isso, é mais fácil utilizar uma seringa do que uma colher.
Outra opção errada (e talvez a mais frequente) é forçar e aproveitar quando a criança chora para colocar o xarope dentro da boca. Para além de isto aumentar as guerras, corre ainda o risco de fazer com que o líquido entre para os pulmões, o que pode ter algumas consequência para a saúde, pelo que é uma atitude claramente a evitar.
Por vezes consegue-se algum benefício quando se mistura o xarope com algum alimento, mas na maioria dos casos isso só serve para a criança rejeitar essa comida. Parece-me mais eficaz tentar dar alguma coisa de que a criança goste imediatamente a seguir à medicação ou então utilizar a chupeta para ver se ela não cospe, porque pode ser que fique mais "lá dentro".
Outra coisa que deve ter cuidado é não dar imediatamente antes do xarope nenhuma comida de que a criança goste particularmente, porque aí o sabor que estava na boca vai ser distorcido e o seu filho vai cuspir tudo com toda a certeza.
Por fim, o ideal mesmo é tentar "negociar" e premiar sempre que as coisas correrem bem, porque este tipo de educação pela positiva (em vez de castigar quando faz mal) tem geralmente melhores resultados. No entanto, é preciso reforçar a ideia de que há algumas crianças muito difíceis para tomar qualquer tipo de medicação e isso é um problema para o qual não há grande solução até elas crescerem...

Os bebés precisam de cortar as unhas?

Claro que sim.
As unhas nos bebés crescem muito depressa e, se não cortadas regularmente (muitas vezes é necessário cortá-las uma vez por semana), apenas servem para ele se arranhar e magoar.
Pode fazê-lo com um corta-unhas de bebé ou então com uma tesoura, de preferência de pontas redondas. Antigamente dizia-se que se devia cortar as unhas com os dentes, mas isso não é de todo a melhor prática, pois corre o risco de magoar o seu filho e/ou de provocar infecções nos dedos.
Também a ideia de que as unhas dos bebés não devem ser cortadas porque "trava a língua" não tem qualquer fundamento científico e não passa de uma crença popular.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O meu filho tem a boca toda branca - serão "sapinhos"?

É muito frequente os bebés (particularmente os pequeninos) terem uma infecção da boca por fungos, chamada candidíase oral ou então "sapinhos".
Caracteristicamente, esta situação manifesta-se por lesões brancas na língua, lábios, bochechas e/ou gengivas, com o aspecto de leite "coalhado" ou iogurte e que não saem bem se se tentar raspar. Pode causar alguma recusa em comer pelo desconforto, mas não causa febre nem outro tipo de sintomas.
Nestas situações o bebé deve ser observado, pois o tratamento passa por um medicamento anti-fúngico, que só deve ser parado 2 dias depois de ficar bem. Outros cuidados a ter incluem um reforço da esterilização das chupetas e tetinas durante essa período e, no caso das mães estarem a amamentar, pode ter que se aplicar o mesmo medicamento nos mamilos caso eles comecem a ficar inflamados, vermelhos e doridos.
É comum surgirem também umas borbulhas na região do rabinho nesta altura, que geralmente dizem respeito à infecção pelo mesmo fungo e que necessitam de um creme antifúngico.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Os bebés podem comer boiões de fruta?

Podem, mas não devem por rotina.
Vou passar a explicar o meu ponto de vista... Hoje em dia é muito frequente o uso de boiões de fruta, porque "é mais prático" ou então porque "os bebés comem melhor". No entanto, há alguns aspectos que me parecem importantes de esclarecer.
O primeiro é o de que a fruta natural é muito mais saudável e é, sem dúvida alguma, a sobremesa ideal para uma alimentação saudável.
Em segundo lugar, parece-me claramente enganoso dizer que esses boiões não têm corantes nem conservantes. Alguém me explica como é que a fruta se conserva esmagada num frasco durante meses sem se adicionar nenhuma substância para a conservar? (é o que vem nos ingredientes descrito como "acidificante")
Em terceiro, gostava de ressalvar que o paladar deve ser educado desde o nascimento e estas frutas processadas têm sempre um sabor pouco diferenciado. Se os bebés se habituam só a comer esses boiões, vão estranhar o sabor de frutas diferentes, como seria de esperar, o que complica bastante a vida aos pais passados uns meses.
Em quarto lugar, é importante não esquecer que também o factor económico me parece relevante, porque apesar de a fruta não ser barata, os boiões são muito mais caros.
Por fim, e aproveitando o facto de estar muito "na moda", também em termos ecológicos é preferível dar fruta às crianças, pois não tem envólucros de plástico ou vidro e tampas metalizadas que têm depois que ser reciclados.
Posto isto, é fácil perceber a minha resposta pronta à pergunta que coloquei. Claro que não sou fundamentalista e reconheço que para uma viagem ou um piquenique é muitas vezes mais prático levar um desses boiões. No entanto, se levar um recipiente pequeno com uma maçã cozida passada ou uma banana e um garfo para a poder esmagar acaba por ser prático na mesma e pode usifruir de fruta natural, que é sempre a melhor opção.

P.S.: Como é lógico, a minha opinião sobre os boiões de sopa e comida é a mesma e não vejo grande utilidade neles.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

O meu filho tem 1 ano e ainda não anda - devo preocupar-me?

Há um ditado português que descreve as crianças como "ao ano andante, aos 2 falante" e, apesar de não estar totalmente errado, muitas vezes não espelha completamente o desenvolvimento normal.
Isso deve-se ao facto de a maior parte das crianças não andar com 1 ano de idade, mas sim aos 13, 14, 15 meses. É inclusivamente aceite que o normal é começar a andar até aos 18 meses e só a partir daí se considera atraso na marcha...
Assim, se o seu filho tem menos dessa idade e ainda não anda (e considerando que tem o resto do desenvolvimento normal), penso que pode aguardar pacientemente, pois o tempo vai ajudar a resolver a situação.
Para além disso, acho que não deve ter grande pressa em ver o seu filhote a andar, pois a partir daí acaba-se completamente o sossego...

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

A partir de que idade é que os bebés podem ir à praia?

Idealmente os bebés não devem ter exposição solar directa até aos 12 meses, pelo que é essa a idade mais consensual quando se fala em levar bebés à praia.
No entanto, o problema da praia não é apenas o sol directo, mas também todas as radiações que reflectem na água e na areia clara, o que torna esse local muito propício a alta concentração de raios ultra-violeta.
Deste modo, é fundamental o protector solar (ver post sobre este assunto), mas também outras medidas que ajudam a minimizar a exposição do seu filho:
  • Evitar as horas de maior intensidade solar (entre as 11:00 e as 16:00)
  • Colocar as crianças o maior tempo possível à sombra, de preferência numa tenda com protecção ultra-violeta
  • Manter o seu filho vestido (pelo menos com t-shirt), com chapéu e, se possível, óculos de sol
Posto isto, não me parece que haja qualquer tipo de benefício em levar crianças com menos de 1 ano para a praia, por muito que os pais gostem...

O meu filho é alérgico aos ácaros. O que posso fazer?

Apesar de serem invisíveis a olho nu, os ácaros estão presentes em todas as casas. Encontram-se de forma abundante em tudo o que acumule pó, particularmente tecidos. Assim, almofadas, colchões, cobertores, mantas, tapetes, peças de roupa e peluches são alguns dos seus locais predilectos.

Conselhos práticos
Uma vez que a cama é a principal fonte de ácaros, há algumas medidas fundamentais:
  • Os lençóis a usar devem ser sempre de algodão e não de flanela nem térmicos
  • Apenas pode utilizar edredões sintéticos; cobertores, mantas ou edredões de penas são proibidos
  • O colchão e a almofada devem ser de espuma ou material sintético e idealmente revestidos por coberturas anti-acaros. Devem ser exposto ao sol todas as semanas e o colchão e o estrado devem ser aspirados uma vez por semana
  • A roupa da cama deve ser lavada pelo menos semanalmente em água quente (> 55ºC)
Há ainda outros conselhos que deve seguir, pois ajudam também a diminuir a quantidade ácaros na sua casa:
  • Ventile a sua casa todos os dias abrindo as janelas
  • Quando a humidade exterior é elevada, deve utilizar um desumidificador
  • O quarto deve ter paredes lisas e laváveis e de preferência não deve ter cortinas nem tapetes
  • Deve manter o quarto o mais vazio possível, evitando todo o tipo de "tralhas" que acumulam pó: peluches, livros, bonecos, ...; uma alternativa é colocar esses objectos em armários fechados com porta
  • Se o seu filho tiver algum peluche preferido deve congelá-lo periodicamente durante a noite (os ácaros não resistem a temperaturas negativas) e lavá-lo semanalmente
  • Não deve limpar o pó com panos secos, vassouras ou espanadores (prefira panos húmidos ou aspiradores)
  • Quando estiver a aspirar a casa, o idela é que o seu filho não esteja presente, pelo menos até passarem 30 minutos
Nos casos mais graves estas medidas podem não ser suficientes, mas aí é sempre importante um acompanhamento médico especializado.

Quantas horas devem dormir os bebés?

É muito frequente ser confrontado com esta pergunta nas consultas de rotina e, apesar de não haver nenhuma regra "estanque", há alguns princípios que é bom ter em conta.
O primeiro é que é muito mais importante a qualidade do que a quantidade de sono. O problema é que a primeira não é fácil de medir de forma objectiva, o que causa sempre alguma insegurança. Uma forma subjectiva de o fazer é observando o comportamento do seu filho, apercebendo-se se apresenta grande irritabilidade ou sonolência durante o dia, pois estes podem ser indícios de que não está a descansar o suficiente.
No entanto, também é bom não esquecer que a maior parte dos bebés tem a vantagem de poder dormir sempre (ou quase sempre) que quiser, o que pode "baralhar" um bocado as contas...
Posto isto, há realmente um número médio de horas de sono que as crianças devem dormir, que é o seguinte:
  • 1ª semana - 16 horas
  • 1-6 meses - 15 horas
  • 1 ano - 14 horas
  • 3-5 anos - 12 horas
  • 10-12 anos - 10 horas
  • > 12 anos - 8-9 horas
Em jeito de conclusão, queria apenas realçar que se o seu filho não dorme exactamente estas horas, mas tem um comportamento tranquilo, penso que não haverá razão para estar muito precocupado/a.
O comportamento das crianças é sempre o melhor indicador do seu bem-estar...