Translate

Etiquetas

sábado, 31 de maio de 2014

O que é a doença de pé-mão-boca?

Desde o ano passado que temos sido "inundados" no meu hospital por casos desta doença, pelo que me parece muito oportuno abordar este tema.
A doença de pé-mão-boca é um tipo específico de "virose", causada por um vírus chamado Coxsackie. Caracteristicamente (e como o próprio nome indica), provoca o aparecimento de "manchinhas" na pele, muitas delas com pequenas bolhas de água, que se localizam preferencialmente nos pés, mãos (incluindo a região das palmas e plantas) e boca. As lesões são bastante parecidas com as da varicela, mas distinguem-se destas pela sua distribuição corporal. Podem causar comichão e, por vezes, estão também associadas a febre. É frequente ainda as crianças apresentarem alguma recusa alimentar, por dor ao mastigar e engolir os alimentos.
A doença evolui ao longo de 2-3 dias, podendo as "manchinhas" estender-se a outras partes do corpo (nádegas e membros). Ao fim desse tempo, as pequenas bolhas evoluem para crostas e depois acabam por desaparecer (o processo pode levar cerca de 1 semana até estar concluído).
Trata-se de uma situação que não causa imunidade, ou seja, pode aparecer mais do que uma vez em cada criança.

O que é a candidíase perineal?

A candidíase perineal é uma infecção da pele causada por um fungo, a Candida albicans. Surge geralmente em bebés pequenos, na zona da fralda, pois os fungos gostam particularmente de ambientes quentes e húmidos.
Caracteriza-se por um aspecto avermelhado/inflamado da pele, que se acompanha pelo surgimento de borbulhas (muitas vezes com uma extremidade branca), que se vão como que "afastando" da pele afectada.
O contágio faz-se apenas pelo contacto com a área atingida, pelo que uma boa higiene das mãos será a principal medida a adoptar nestes casos.
O tratamento passa pela aplicação local de uma pomada antifúngica, que deve ser sempre sujeita a aconselhamento médico. Este deve durar cerca de 2-3 semanas, para garantir a erradicação do fungo e diminuir a probabilidade de recaída.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Pode-se colocar peixe congelado na sopa dos bebés?

Pode, sem problema.
Geralmente os produtos ultracongelados são submetidos a muitos controlos de qualidade, pelo que são uma boa opção para a sopa dos bebés. Para além disso, existem apresentações que não trazem espinhas (lombinhos de pescada, por exemplo), que acabam até por ser mais seguras.
Claro que o sabor do peixe congelado não é igual ao do peixe fresco e isso ninguém consegue negar. No entanto, enquanto for utilizado apenas para colocar na sopa (e mesmo depois), não me parece que isso seja um grande problema, pois os bebés não vão estar propriamente a degustar o peixe.
Sendo assim, parece-me que a utilização de peixe fresco ou ultracongelado passa mais por uma questão pessoal do que por uma decisão médica.
Decida como gostar mais, sem grandes preocupações...

quinta-feira, 22 de maio de 2014

A partir de que idade é que as crianças devem ter televisão no quarto?

Não devem!
A resposta não podia ser mais simples e imediata, mas vou tentar explicar a seguir o meu ponto de vista.
O primeiro aspecto negativo de colocar uma televisão no quarto de uma criança é o de fomentar uma má rotina de sono, pois rapidamente ela se vai habituar a adormecer com esse tipo de companhia, o que está mais do que provado que interfere com a quantidade e qualidade do sono.
Para além disso, é também uma medida profundamente anti-social. A mensagem que se acaba por passar (mesmo que a intenção não seja essa) é a de que há sempre ali uma alternativa, caso as outras televisões de casa estejam a dar algo que "não interessa" à criança. Com isto consegue-se apenas fomentar o isolamento, que depois se vai, obrigatoriamente, agravar durante a adolescência.
Parece-me extremamente importante regressar um pouco atrás no tempo e voltar à altura em que ver televisão era uma actividade social, para se fazer em família. Claro que isto só se consegue se apenas houver uma televisão em cada casa e a pergunta é mesmo essa: para quê ter mais televisões? Se só houver uma, todos os dias tem que haver cedências, porque nem sempre se vai ver o que todas as pessoas gostariam, mas a partilha de espaços comuns é mesmo assim. Por outro lado, tenho a certeza de que desse modo os pais vão acabar por conhecer muito melhor os gostos dos filhos e, até, poder comentar com eles alguns dos programas que eles vão vendo na televisão.
Sei que muita gente vai discordar desta minha opinião, até por força das rotinas que já estão estabelecidas há muitos anos, mas há um ditado que diz que "para melhor se muda sempre" e reduzir o número de televisões por cada casa era, sem dúvida, uma óptima mudança.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Mais um mito - "Colocar os bebés pequenos a pé entorta-lhes as pernas"

Quase todos os bebés gostam de se ir colocando de pé a partir dos 4-6 meses, porque assim conseguem observar melhor tudo o que os rodeia. No entanto, há sempre alguém que diz que isso é errado, porque "entorta as pernas". Como é lógico, isso não tem nenhum tipo de fundamento científico...
Claro que os bebés ficam com as pernas arqueadas, como ficam todos, quer se coloquem a pé ou não. Faz parte do desenvolvimento ortopédico das crianças terem as pernas assim no primeiro ano de vida (provavelmente foi daí que surgiu este "mito") e isso não tem nenhum tipo de implicação no futuro.
Assim, se o seu filho é "curioso" e gosta de observar tudo o que está em volta, pode colocá-lo a pé sem problema nenhum, que não há-de ser por isso que ele vai ficar com algum tipo de consequência física. Pode ficar tranquilo...

A partir de que idade é que os bebés podem andar de avião?

Não é fácil responder a esta pergunta de forma muito objectiva, porque não existem propriamente recomendações oficiais sobre este tema.
No entanto, há alguns princípios que importa ter em atenção.
O primeiro é que andar de avião não implica propriamente nenhum risco para o bebé, excepto algum desconforto que possa surgir quando for a levantar a voo e a aterrar. Este aspecto pode ser minimizado colocando-o a mamar nesses momentos ou então dando-lhe a chupeta.
O segundo é que também não existe grande vantagem para o bebé em andar de avião nos primeiros tempos de vida, porque as diferenças de pressão podem ser pouco confortáveis e causar-lhe alguma irritabilidade. Isto pode ser "contornado" aguardando algum tempo para efectuar a viagem, ou seja, se possível adiando-a para quando ele já tiver, pelo menos, 2-3 meses. No entanto, se tiver que viajar antes, pode fazê-lo, pois não é contraindicado.
Por fim (e não menos importante), é fundamental garantir a segurança do bebé. Hoje em dia já há algumas cadeirinhas que permitem o transporte em aviões e essa poderá ser uma opção a ter em conta no momento da escolha da cadeirinha para o seu filho.
Como viram, não há regras muito rígidas, pelo que deve, como para todos os assuntos, imperar o bom-senso...

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Sol - amigo ou inimigo?

Claramente amigo...
No entanto, como em relação a tudo, há sempre algumas precauções a tomar. Com este post pretendo listar alguns conselhos que me parecem importantes e que devem servir como orientação para toda a gente que se expõe ao Sol, particularmente crianças (relembro apenas que todos os bebés com menos de 1 ano de idade não devem ter uma exposição solar directa, pelo que não estão contemplados neste texto).

Assim, aqui ficam alguns princípios a seguir para ajudar o seu filho a aproveitar o Sol de uma forma mais saudável:

  • evite as horas de maior intensidade de radiação (11:00 - 16:00)
  • coloque-lhe sempre um chapéu, de preferência com abas que lhe protejam as orelhas
  • vista-lhe uma t-shirt para estar mais protegido
  • experimente colocar-lhe uns óculos de Sol (ver post sobre o assunto)
  • use um protector solar com factor de protecção 50+ (se o seu filho tiver menos de 2 anos, esse protector deve ser com filtros 100% físicos ou minerais) e aplique-o antes da exposição ao Sol
  • dê-lhe muita água, para repôr os líquidos que ele perde com a transpiração
Se todos estes requisitos forem cumpridos, consegue-se retirar do Sol muito mais benefícios do que prejuízo...

sábado, 17 de maio de 2014

É amanhã o dia!

É já amanhã o lançamento do meu livro "Pediatra para todos", às 15:00 na Fnac do Norte Shopping.
Queria reforçar a ideia de que estão todos convidados, portanto conto com a vossa presença.
Passem palavra e convidem quem quiserem, pois o evento será aberto a toda a gente.
APAREÇAM, conto convosco!


domingo, 11 de maio de 2014

Estão todos convidados - apareçam!


A cerimónia oficial de lançamento do meu livro ("Pediatra para todos") é já no próximo domingo (18 de maio), às 15:00 na Fnac do NorteShopping. Como é lógico, estão todos convidados a aparecer e gostava  muito, sinceramente, de encher o auditório nessa tarde. Seria uma óptima oportunidade para partilhar este momento tão importante com todas as pessoas que fazem parte da minha vida, bem como com todos aqueles com quem eu comunico através deste blogue. Seria engraçado conhecer pessoalmente algumas das pessoas com quem vou falando "online", pelo que repito o convite: estão todos CONVIDADOS!
Como não consigo chegar a toda a gente em tão pouco tempo, pedia-vos mais uma vez uma ajudinha na divulgação deste evento, seja através dos vossos mails, facebook ou outras redes sociais. Podem trazer toda as pessoas que quiserem, sem problema. Desde já, aqui fica o meu muito obrigado...
Gostava de criar uma espécie de corrente chamada "No dia 18 vamos encher a Fnac!" e, sem querer copiar ninguém, pode-se mesmo usar o lema: "EU VOU!". Se puderem ajudar-me neste propósito, agradecia imenso.

Nota: Apesar de o lançamento oficial ser só no domingo, aproveito para esclarecer que o livro já se encontra à venda em todas as livrarias (Bertrand, Fnac e outras) e hipermercados. Em Viana do Castelo, está ainda disponível na Farmácia da Abelheira.

sábado, 10 de maio de 2014

Estou constipada - posso amamentar?

Claro que sim!
Hoje em dia está completamente provado que o leite materno tem um importante papel imunológico, ou seja, no "fortalecimento" das defesas do bebé. Por esse motivo, é fácil de perceber que se a mãe está doente (com uma constipação, por exemplo), a amamentação acaba por ajudar a diminuir a probabilidade de contágio. Claro que a proximidade física mãe-filho funciona em sentido contrário, favorecendo a passagem de vírus de um lado para o outro mas, pesando os prós e os contras, a recomendação é clara: deve-se manter o aleitamento materno.
Por vezes as mães questionam-me sobre o uso de máscaras nessas situações e, para ser sincero, até acho uma boa ideia para bebés pequenos. No entanto, à medida que eles crescem, começam a estranhar ver a mãe de máscara e, nesses casos, considero preferível não usar nada. Nessas alturas, resta o conselho de não espirrar nem tossir para cima do bebé...

quinta-feira, 8 de maio de 2014

O meu filho nasceu com as maminhas aumentadas - é normal?

É muito frequente os bebés nascerem com as maminhas aumentadas e isso não tem problema nenhum. Durante a gravidez a mãe produz uma série de hormonas que vão estimular o desenvolvimento das suas glândulas mamárias, para as preparar para a amamentação no pós-parto. O problema é que essas hormonas atravessam a placenta e vão ter o mesmo efeito no recém-nascido que está em formação. É por este motivo que muitas vezes os bebés nascem com as maminhas grandes e endurecidas.
Como é fácil de perceber, à medida que o bebé vai crescendo, vai eliminando as hormonas maternas e o tamanho do peito acaba por voltar ao normal. É importante reforçar a ideia de que não é preciso fazer nada e que está absolutamente contra-indicado espremer as maminhas destas crianças, por muito que isso fosse uma prática corrente há alguns anos atrás. Para além de não ter efeito nenhum, aumenta muito o risco de fazer uma infecção mamária.
Sendo assim, a única coisa a fazer é esperar que o tempo faça o seu papel, ou seja, que o problema se vá resolvendo naturalmente, sem necessidade de nenhum tipo de intervenção. 
Sosseguem os pais, que não é preciso ir já comprar um sutiã para as filhas, nem muito menos para os filhos...

domingo, 4 de maio de 2014

As crianças devem usar óculos de sol?

Apesar de todas as desconfianças que existem, a maior parte das crianças (e bebés) tolera surpreendentemente bem os óculos de sol. Basta elogiá-los 2-3 vezes que, geralmente, depois são eles que não os querem "largar".
Quando comprar óculos, a única coisa que tem que ter em atenção é o tipo de protecção. Não adianta serem escuros, têm mesmo que proteger contra radiação ultravioleta A e B, que aparece especificada como UVA e UVB.
Se os óculos tiverem lentes escuras mas não tiverem esse efeito protector, o que vai acontecer é que a pupila ("menina do olho") vai dilatar e fazer com que entre ainda mais radiação, o que é claramente nocivo (isso é pior ainda do que não usar nada). É por esse motivo que deve comprá-los apenas em estabelecimentos que garantam a fiabilidade dos óculos e, particularmente, das lentes...
Quanto ao resto, actualmente há imensos modelos à escolha e de certeza que vai encontrar alguns de que goste e, não tenho dúvidas, o seu filho/a vai ficar um espanto!

sexta-feira, 2 de maio de 2014

É hoje o grande dia!

Finalmente chegou o grande dia em que o meu livro começou a ser distribuído pelas livrarias um pouco por todo o país. Confesso que o coração vai bater um bocadinho mais rápido quando o vir pela primeira vez numa montra...
Mais uma vez, muito obrigado por todo o apoio que me têm dado e as mensagens de carinho que tenho recebido. Se puderem continuar a divulgar (mail, facebook, twitter, ...) agradecia imenso, porque este livro foi escrito para tentar chegar ao máximo de pessoas possível e ajudar a lidar melhor com os nossos "rebentos"! É mesmo esse o propósito com que o escrevi...



quinta-feira, 1 de maio de 2014

Picadas de mosquito - o que fazer?

Quando uma criança é picada por um mosquito, é muito frequente fazer uma reacção local, em que essa zona fica vermelha, quente e inchada e causa muita comichão. O problema é que, como é lógico, ela vai ter tendência a coçar-se e isso faz com que as picadas infectem com bastante frequência.
O tratamento para uma picada de mosquito passa apenas pela administração de um anti-histamínico/anti-alérgico, embora, por vezes, possa ser útil colocar uma pomada com um pouco de cortisona durante 1-3 dias nos casos em que a zona da picada fica muito inflamada. De qualquer forma, esta atitude necessita sempre de aconselhamento médico prévio. Quando ocorre infecção local, o tratamento inclui a aplicação de um antibiótico tópico, também sob a forma de pomada/creme, embora nos casos mais "avançados" possa ser necessário dar um antibiótico por via oral.
Muitas vezes a borbulha que resulta demora semanas a desaparecer completamente e isso não implica nenhuma mudança de atitude.
O ideal é mesmo prevenir as picadas de mosquito e isso pode ser conseguido através das seguintes medidas:
  • proteger o corpo com roupa, sempre que possível
  • usar um repelente de mosquitos na roupa, garantindo sempre que este é adequado à idade da criança
  • usar um repelente de mosquitos no quarto, que pode ser eléctrico ("de tomada") ou a pilhas; existem repelentes ultra-sónicos (que são mais inócuos, mas que têm uma taxa de eficácia mais variável) e químicos (mais eficazes, mas um pouco mais agressivos, embora isso não tenha propriamente tradução clínica)
  • existem também umas aplicações para smartphones e tablets, que funcionam como os repelentes ultra-sónicos, mas pessoalmente não tenho nenhuma experiência com elas; de qualquer forma, parece-me uma boa ideia
Por fim, há um conselho que nunca é demais relembrar: deve evitar sempre ter recipientes com água estagnada não tratada perto de casa, pois é o ambiente perfeito para os mosquitos se desenvolverem e multiplicarem.