Translate

Etiquetas

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

As terríveis birras - o que fazer?

O que são e porque surgem?
As birras são uma manifestação de desagrado, que geralmente surge quando uma criança se sente "frustrada" por não conseguir atingir determinado objectivo, seja porque é incapaz de o fazer ou então, mais frequentemente, porque é contrariada. São uma espécie de "teatro", que servem para a criança manifestar publicamente que está descontente e que, como tal, só funciona bem quando tem espectadores. É por esse motivo que muitas vezes as crianças decidem fazê-las em locais públicos, como quando se tem convidados em casa, quando se está num restaurante ou então num shopping ou hipermercado. Tem como objectivo tentar arranjar "aliados", aproveitando a fragilidade dos pais quando estão expostos a outras pessoas.
A idade de início é bastante variável mas, de um modo geral, começam a surgir por volta dos 15 meses, quando a criança começa a ter alguma capacidade de entendimento, mas pouca capacidade de se expressar. Provavelmente este desequilíbrio entre o que a criança entende (que nesta idade e já bastante) e o que fala (muito pouco ou quase nada) é um dos principais factores que despoleta este tipo de manifestação. Para além disso, é também uma idade em que a criança vai adquirindo progressivamente mais autonomia, não tendo propriamente verdadeira capacidade para a gerir. Todas estas mudanças no desenvolvimento vão fazer com que as crianças se sintam defraudadas muitas vezes nas suas expectativas, surgindo a birra.
Quanto à idade em que terminam, ela não existe propriamente. Eu diria que até aos 3-4 anos e sempre a "piorar" e a partir daí vai melhorando muito lentamente. Depende sempre de cada criança, mas isso vai estar muito relacionado com a capacidade de expressão, negociação e persuasão de cada um...

O que fazer?
Como expliquei acima, as birras são um "teatro", pelo que só funcionam bem quando têm gente a assistir. Por esse motivo, a melhor forma de lidar com elas é mesmo ignorar, sempre que seja possível. Obviamente, tem que se garantir a segurança da criança, mas o ideal é deixá-la sozinha quando está a fazer uma birra, explicando claramente "Estás a fazer uma birra, portanto vou sair daqui. Quando acabares eu volto". E isto implica que os pais saiam mesmo daquele local... O que vai acontecer é que numa primeira fase a criança vai berrar mais alto para chamar a atenção é a seguir pára. 
Outra opção é tentar distrair a atenção, reforçando outra coisa qualquer que a criança goste, mas geralmente isso só funciona quando as crianças são pequenas.
Por fim, pode-se tentar também dar um abraço à criança e explicar-lhe que se gosta muito dela, mas isso não costuma ser muito fácil durante uma birra, seja porque a criança não deixa, seja porque os pais estão zangados naquele momento. É uma boa ideia, mas parece-me mais teoria do que prática. O que eu acho que funciona melhor é falar sobre a birra depois de ela ter acabado, para ouvir o que a criança tem a dizer e explicar-lhe a nossa opinião sobre o assunto, tentando prevenir novas situações.
No entanto, para além disto tudo, o mais importante é mesmo encontrar um equilíbrio entre este tipo de comportamento e o carinho e afecto que deve ser dado a todas as crianças. É fundamental que elas se sintam amadas e acarinhadas, porque só assim elas crescem felizes, seguras e tranquilas. Por isso, nunca é demais dar um afecto a uma criança, seja um beijo, um colo, uma brincadeira, umas cócegas ou outra coisa qualquer. Se nós fizermos isso frequentemente, elas percebem bem quando estamos desagradados com o comportamento delas e isso vai fazer com que pensem "duas vezes" antes de nos confrontar. Na minha opinião, não existe limite para as manifestações de amor para as crianças, nem é possível "estragá-las com mimo", porque o mimo nunca é demais. Devemos repetir muitas vezes aos nossos filhos que gostamos muito deles, mesmo que eles digam com ar de "frete" que já sabem. Eles precisam dessa segurança...

3 comentários:

  1. Excelente artigo, excelente blog!
    Parabéns.
    Sou educadora de infância e também autora de livros para a infância, inclusive alguns no PNL. Tenho um conto ao dispor de todos intitulado "O Feitiço da Birra", que de uma forma simples toca no coração das crianças em idade pré-escolar e ensino básico.
    Como ultrapassar o sentimento egocêntrico (característico desta idade), e colocar-se no lugar do Outro...

    Boas leituras e parabéns uma vez mais
    Laura

    piratinhasnoji.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Olá Dr, adoro ler os seus artigos e opiniões!
    A Maty está com 4anos e esta numa fase horrível. Parece que está sempre a medir forças comigo e não ouve ninguém. Por vezes ignora-nos e outras vezes responde mal. Esta sempre a mandar e diz que não muitas vezes. Do género: Maty faz isto e ela responde Não!!!!! A frase mais utilizada é nao sou mais tua amiga! E quando lhe estou a ralhar ri se na minha cara! Hoje dei lhe uma palmada no rabo 😢 Porque me chamou cadela. E ela chorou , mas passado um pouco agiu como se nada fosse. Quando o meu marido chegou ela teve vergonha de lhe contar, mas quando eu comecei a contar, ela ria se e também contava.
    Estou super preocupada porque não quero perder a minha menina bem educada para uma menina rebelde! Tenho Mesmo medo! Não quero estar sempre a Bater mas os castigos parecem não afeta la. Só Quando se lembra!!!!
    Talvez seja importante dizer que tenho um Bébé de 3meses que requer muita atenção por ser muito chorão. Serão também ciúmes?
    Achas que a deva levar a psicóloga?
    Beijinhos grandes e obrigada.
    Joana Gomes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,

      Esse comportamento é habitual com essa idade, mas claro que o bebé vai "atiçá-la" um bocadinho mais. Não acho que se justifique ir a uma consulta de psicologia já...
      O truque para corrigir esse comportamento é a consistência. Deve seleccionar bem as batalhas que trava com ela (não pode estar sempre "em guerra") e ganhá-las com toda a naturalidade. Se conseguir ser consistente ela vai começar a perceber que não vale a pena discordar e, aos bocadinhos, vai cedendo.
      De qualquer forma, é um processo que demora o seu tempo, não vale a pena ir com pressa...
      Cumprimentos

      Eliminar