Translate

Etiquetas

segunda-feira, 27 de abril de 2015

As crianças, os afectos e os beijinhos

Hoje é a última segunda-feira do mês e estive, como habitual, no programa "Queridas Manhãs" da SIC.
O tema foi "As crianças, os afectos e os beijinhos" e estes foram alguns dos temas de conversa:
- Devemos obrigar as crianças a dar beijinhos quando não querem?
- Deve-se dar beijos na boca às crianças?
- O que fazer quando as crianças crescem e começam a ficar mais autónomas?
- Há limites para a privacidade dos adolescentes?

Para quem não viu, aqui fica o link para o vídeo:

terça-feira, 21 de abril de 2015

No dia 27 é a última segunda-feira do mês!

No próximo dia 27 é a última segunda-feira do mês e, como tal, voltarei ao programa "Queridas Manhãs" da SIC, para conversar com a Júlia Pinheiro e o João Paulo Rodrigues.
Desta vez o tema vai ser "As crianças, os afectos e os beijinhos", um tema muito curioso e interessante...

Como o dia da mãe está a chegar, posso anunciar também que vamos ter no programa um passatempo para oferecer três exemplares do meu livro "PEDIATRA PARA TODOS". Os pormenores serão anuncados na hora.
Não perca!

domingo, 19 de abril de 2015

Marsúpio ou baby sling - qual o melhor?

Apesar desta ser uma questão algo subjectiva, acho que a resposta não é muito difícil de dar: o que gostar mais!
Quer um quer outro são extremamente úteis e podem ser utilizados de acordo com a preferência dos pais. De um modo geral, quando os bebés são mais pequeninos, a preferência vai mais para o baby sling, porque há a sensação de que eles ficam mais protegidos e "aconchegados" com este método de transporte. No entanto, o baby sling não é muito fácil de colocar nas primeiras vezes (nada que 2-3 tentativas não resolvam), pelo que há pais que não se sentem tão confortaveis com esta opção. Em princípio pode ser utilizado praticamente desde o nascimento, porque permite que o bebé seja transportado mais deitado e não existe propriamente nenhuma idade a partir da qual não possa ser usado. No entanto, quando o bebé adquire mais capacidade de movimento, nomeadamente a partir dos 9-12 meses, começa a ser mais difícil convencê-lo a ficar quieto e "apertado" no baby sling.
Quanto ao marsúpio, acaba por ser mais fácil de usar nas primeiras vezes, mas só deve ser usado quando o bebé adquire alguma capacidade de controlo da cabeça, nomeadamente a partir dos 2-3 meses (até porque aqui, salvo algumas excepções, o bebé só pode ir na posição "a pé"). A partir dos 4-6 meses já começa a ser possível transportá-lo virado para a frente (até lá convém ir virado para o peito do pai/mãe) e realmente os bebés passam a gostar bem mais deste tipo de transporte, porque lhes dá grande liberdade para ver tudo e mexer as mãos e pés livremente. Cada modelo tem o seu limite de peso para o transporte (há modelos até aos 9kg, 15kg, ...), pelo que a partir dessa altura já não devem ser utilizados. De um modo geral, se o modelo o permitir diria que enquanto o bebé não anda, ainda se consegue convencê-lo a ir no marsúpio, mas a partir daí ele vai querer mesmo é andar no chão. É normal que assim seja e é mesmo assim que deve ser...

Posto isto, acho que a ideia mais importante é que os dois tipos de transportadores são mais ou menos semelhantes, tendo cada um as suas vantagens e desvantagens, pelo que a decisão é mesmo dos pais, de acordo com o que se sentirem mais à vontade.

sábado, 18 de abril de 2015

O meu filho não gosta de óculos de Sol - como posso convencê-lo?

Há algum tempo já escrevi um post sobre a necessidade das crianças usarem óculos de sol, sempre que possível (pode consultá-lo aqui).
Tal como afirmei, a maior parte das crianças gosta muito de os usar e tolera-os surpreendentemente bem, mas há alguns que dão um pouco mais de "luta". Se o seu filho pertence a esse grupo dos "difíceis", aqui ficam quatro dicas que podem ajudar:

  • Elogiar sempre a criança quando tem os óculos, comparando com cantores ou super-heróis que ela goste
  • Envolver a criança na escolha dos óculos, deixando que seja ela a decidir a cor ou o padrão (desde que cumpra os requisitos obrigatórios da protecção ultravioleta, como é obvio)
  • Se possível, dar o exemplo e valorizar também o uso de óculos por parte dos pais
  • Por fim (e talvez a mais importante de todas), é mostrar à criança que os óculos são uma necessidade. Pode consegui-lo colocando os óculos na cara do seu filho quando ele estiver a passar de um local escuro para o exterior com muita luz, pois se o fizer nessa altura ele vai perceber que é útil e agradável utilizá-los. Se os experimentar em casa, num ambiente com pouca luz, provavelmente ele vai gostar bem menos.
Se mesmo assim o seu filhote continuar a resistir, vá insistindo aos bocadinhos, porque a persistência é seguramente a chave para o sucesso...

terça-feira, 7 de abril de 2015

"Pediatra para todos" na Biblioteca Municipal de Caminha

No próximo dia 11, pelas 10:30, vai decorrer na Biblioteca Municipal de Caminha uma apresentação do meu livro "PEDIATRA PARA TODOS".
Será uma óptima oportunidade para conversarmos um pouco e trocar algumas impressões.
A entrada é livre e estão todos convidados, portanto conto com a vossa presença!



segunda-feira, 6 de abril de 2015

Como se devem colocar os supositórios nos bebés?

Esta é uma questão bastante "velha", mas do desconhecimento de grande parte da população.
Quase toda a gente introduz o supositório com a parte "aguçada" para a frente e a parte recta para trás, mas na verdade teoricamente essa não é a melhor forma de o fazer. Se introduzir assim, a probabilidade do supositório sair é muito grande, porque com a contracção do intestino, ele acaba por voltar para trás. Se o colocar ao contrário (com a parte recta para a frente), a contracção intestinal vai acabar por ajudar a empurrá-lo para cima, diminuindo a probabilidade de ele voltar a sair.
Apesar de tudo isto, na maior parte dos meninos acaba por ser um bocado indiferente a forma como se introduz. De qualquer forma, se o seu filho "expulsa" o supositório frequentemente após o colocar, experimente fazê-lo com a parte afunilada para trás, porque vai ver que a taxa de sucesso é capaz de ser maior.