Translate

Etiquetas

domingo, 31 de maio de 2015

Vou colocar o meu filho a dormir no quarto dele - como posso "preparar" essa aventura?

Depende da idade...
Se o bebé for pequeno, até aos 6-9 meses (que é o ideal - ver post sobre este assunto aqui), diria que não é preciso nenhuma preparação para ele, mas sim para os pais. Os bebés desta idade geralmente não estranham a mudança, pelo que não costuma ser algo que dê muito "trabalho".
Já quando as crianças são maiores, as coisas começam a ficar diferentes, porque elas vão percebendo a mudança e vão usar todo o seu "arsenal" manipulador para conseguirem demover os pais dos seus objectivos.
Aí acho que pode ser importante, de forma transitória, a presença física dos pais no quarto (particularmente enquanto a capacidade da criança se expressar por palavras for ainda algo limitada), pois o contacto físico ajuda a sossegá-la. Aos bocadinhos, deve-se tentar que os pais se vai afastando cada vez mais da cama do filho, acalmando-o mais com palavras e menos com o toque, até ele adquirir a sua autonomia ao adormecer. 
Claro que estas são apenas ideias gerais, pois como se costuma dizer "cada caso é um caso" e alguns dos factores a ter em conta são, obviamente, se a criança ainda está habituada a beber leite de noite e, acima de tudo, perceber se os pais estão ou não convencidos de que o bebé vai mesmo para outro quarto. Às vezes este é mesmo o maior entrave...

sexta-feira, 29 de maio de 2015

"Pediatria para todos" é agora um blogue ACTIVA

Este mês passei a ser colaborador da revista ACTIVA, como blogue "parceiro".
É mais um desafio que me lançaram, que aceitei prontamente!
 
Para mais informações, é só carregar aqui.
 
 
 

segunda-feira, 25 de maio de 2015

O que fazer quando uma criança se engasga?

Sabe o que fazer quando uma criança se engasga?
E se ela estiver inconsciente, sabe como ajudá-la?
Hoje no programa "Queridas Manhãs" da SIC estive a conversar com a Júlia Pinheiro e o João Paulo rodrigues sobre estes e outros assuntos.
Se não viu, aqui fica o link para o vídeo:


quinta-feira, 21 de maio de 2015

A próxima segunda-feira é a última do mês!

A próxima segunda-feira é a última do mês, portanto vou estar nas "Queridas Manhãs" da SIC, à conversa com a Júlia Pinheiro e o João Paulo Rodrigues.
Desta vez vamos falar de suporte básico de vida pediatrico e algumas manobras de reanimação que podem salvar vidas e que toda a gente deve conhecer.
Sabe o que fazer se encontrar uma criança inconsciente? E se uma criança se engasgar à sua frente, consegue ajudá-la?
No programa vou responder a estas e outras questões e demonstrar o que fazer, não perca!

terça-feira, 19 de maio de 2015

O que são os percentis e qual o seu significado?

Apesar de já ter um post escrito sobre esse assunto neste blogue, esta semana escrevi também um texto sobre este tema para o site "Mãe-Me-Quer", do qual sou colaborador.
Para os interessados, aqui fica o respectivo link:



domingo, 17 de maio de 2015

Quanta roupa devo vestir ao meu filho?

Esta é uma questão muito frequente nas consultas, particularmente nesta altura do ano em que o tempo começa a aquecer.
No inverno acaba sempre por ser mais fácil escolher a roupa dos bebés, porque na verdade é quase só ir acrescentando... No entanto, quando as temperaturas começam a subir, surgem também as indecisões dos pais. De um modo geral, há uma regra prática que pode (e deve) ser seguida: deve-se vestir aos bebés mais uma peça de roupa do que a pessoa mais friorenta da casa. Geralmente essa peça a mais é o body e, assim, acaba por conseguir garantir que o seu filho não fica com frio.

De qualquer forma, há duas considerações que gostava também de deixar:
  1. Se estiver muito calor e sentir que uma peça de roupa é já muito para si, não vale a pena vestir nada a mais ao seu filho
  2. A partir dos 6-9 meses acho que já o pode vestir como se veste a si, porque os mecanismos de compensação do frio e calor começam a estar mais desenvolvidos
Como para tudo na vida, também aqui é preciso bom senso e perceber que os bebés não têm só frio, têm também calor, tal como nós...

quarta-feira, 13 de maio de 2015

1 milhão e meio de visitas!

Hoje atingimos 1.500.000 de visitas, o que é um número absolutamente estrondoso, tendo em conta o relativo pouco tempo de vida deste blogue.
Como é logico, queria agradecer a todos os leitores e manifestar publicamente a minha enorme satisfação por poder chegar a tanta gente...
Continuemos, rumo aos 2 milhões!!!


domingo, 3 de maio de 2015

O meu filho está doente e não come - é normal?

Sim, é perfeitamente normal e muito frequente que isso aconteça...
A falta de apetite é das queixas mais comuns quando as crianças estão doentes e é geralmente uma das últimas (se não mesmo a última) a desaparecer quando elas vão recuperando. O que é fundamental é perceber se a falta de apetite faz com que os meninos deixem de comer completamente ou reduzam só o que comem habitualmente.
Se a recusa for total, a solução passa obrigatoriamente pela colocação de um soro e internamento, para fazer com que o organismo vá tendo tudo o que precisa e que não está a conseguir obter através da alimentação.
Se a recusa em comer for apenas parcial, é importante avaliar a situação e observar a criança, para ver se ela come o que necessita, mesmo sendo menos do que faz habitualmente. Por vezes ajuda, nestes casos, fazer uma pequena picadela no dedo para medir os níveis de açúcar (como fazem as pessoas diabéticas), pois se estiverem normais indicam que a criança está a comer o que precisa, mesmo que seja pouco para o entendimento dos pais.
Assim, em jeito de conclusão, gostaria de realçar que, apesar da falta de apetite ser algo que deixa os pais muito preocupados, é uma queixa extremamente habitual e que acompanha quase todas as infecções, sejam provocadas por vírus ou por bactérias. Em média dura 5-7 dias, o que parece uma eternidade para a maioria das pessoas...

É verdade que dormir uma sesta à tarde faz com que as crianças durmam pior à noite?

Na maior parte dos casos isso não é verdade e, aliás, geralmente acontece até o oposto...
Está hoje em dia provado que a fadiga é um dos principais factores que interfere com o sono profundo, seja em quantidade, seja em qualidade. Deste modo, uma criança que esteja muito cansada vai provavelmente ter mais dificuldade em adormecer e vai acordar mais vezes durante a noite, precisamente porque a fase de sono profundo vai estar condicionada.
Não é fácil, por vezes, convencer os pais de um menino que dorme mal a deixarem-no dormir uma boa sesta de tarde, mas muitas vezes isso resulta muito bem, porque o sono é melhor e a própria criança acaba por ficar mais tranquila e dar "menos luta" na hora de adormecer. 
Se o seu filho tem dificuldades em adormecer de noite e faz muitas "birras de sono", acho que vale a pena tentar que ele durma um pouco ao fim da tarde, nem que seja só para testar, porque na verdade não há muito a perder e pode haver muito a ganhar...