Translate

Etiquetas

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Alteração no programa "Queridas Manhãs"

A minha participação de hoje no programa "Queridas Manhãs" foi anulada, devido a uma alteração no seu conteúdo.
Contudo, no próximo mês voltarei ao programa, na última segunda-feira (como habitual)!

quinta-feira, 25 de junho de 2015

"Pediatria para todos" nas "Queridas Manhãs" da SIC

A próxima segunda-feira é a última segunda do mês e, como tal,  voltarei à SIC para conversar com a Júlia Pinheiro e o João Paulo Rodrigues no programa "Queridas Manhãs".
Desta vez o tema será: "As crianças e as férias - quais os cuidados a ter?".
Não perca!

domingo, 21 de junho de 2015

A sopa dos bebés tem que ser feita todos os dias?

Não!
Claro que se houver essa possibilidade e, acima de tudo, a vontade de quem está com o bebé de fazer a sopa todos os dias, isso não tem nenhum problema, como é lógico.
No entanto, é importante reforçar a ideia de que a sopa pode aguentar cerca de 3 dias no frigorífico (depende do frigorífico), pelo que não é necessário que seja feita diariamente. Quando os bebés são pequenos, esse intervalo de 3-4 dias é o ideal para ir variando os legumes da sopa, o que acaba por ser bastante prático.
Hoje em dia o tempo dos pais para estar com os filhos é cada vez menor, pelo que se pudermos disponibilizar mais algum para aumentar os momentos em família, é sempre produtivo e os nossos meninos agradecem!

quarta-feira, 17 de junho de 2015

O que fazer quando a febre não baixa?

Esta é uma situação que surge com bastante frequência e é importante esclarecer alguns aspectos:

  1. Quando se dá medicação para a febre, a temperatura desce geralmente 1 grau a 1 grau e meio, o que quer dizer que se a criança tiver 39,5, pode ir só até aos 38-38,5 e isso não significa que não esteja a responder
  2. A maior parte das vezes os medicamentos demoram 30 minutos a 1 hora a fazer efeito, o que quer dizer que nesse intervalo a temperatura pode continuar a subir
Como é fácil compreender, muitas vezes os pais acham que a febre está a responder à medicação, mas isso não é completamente verdade, pelos motivos que expliquei acima. É fundamental aguardar um pouco e perceber que a temperatura não vai descer sempre para os 37 graus.
Na dúvida, como sempre, o mais importante é mesmo olhar para o bem-estar da criança, pois esse é o melhor indicador de todos.
Se realmente a febre não estiver a responder aos medicamentos e a baixar como devia, nesse caso faz sentido consultar um médico, para ver se está tudo bem e se não faz falta mais nenhum tipo de tratamento.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Qual é o tempo máximo que um bebé pode estar na babycoque?

Esta é uma dúvida comum a muitos pais e que tem uma diversidade de respostas impressionante, pelo que acho que vale a pena esclarecê-la.
Eu já ouvi de tudo, desde 30 minutos até 3 horas e, sinceramente, não fiquei convencido com nenhuma delas. A questão é que não existe evidência científica nenhuma para responder a esta questão, o que faz com que tudo o que se possa dizer está sujeito (e bem sujeito) a não ser verdade.
Quando me fazem esta pergunta, a minha resposta (meio a brincar, meio a serio), é só uma: o tempo máximo que os bebés podem passar na babycoque é exactamente aquele que vai entre o momento em que o colocam e quando ele começa a chorar. Isto porque os bebés são muito "honestos" e não fazem de conta que "está tudo bem". Assim, se eles estiverem desconfortáveis e algo os estiver a incomodar eles choram, os pais acabam por pegar neles e fica tudo resolvido.
Deste modo, gostaria de reforçar a ideia de que não existe propriamente tempo máximo, porque não está provado que a babycoque faça mal à coluna ou a outra coisa qualquer. Se o bebé não estiver bem vai resmungar e nessa altura acaba por sair. E assim se resolve o problema...

domingo, 7 de junho de 2015

Os bebés podem comer gorduras?

Podem e devem!
Até aos 2-3 anos a gordura tem dois papéis fundamentais no desenvolvimento: é a principal fonte de energia para o crescimento e actividade das crianças e é importantissima para o desenvolvimento cerebral.
Como é logico, isto não quer dizer que se deva abusar da gordura na alimentação das crianças, mas também não se deve fazer grande restrição, porque isso pode ter consequências negativas para a sua saúde. Para além da quantidade, é também essencial reforçar a ideia de que se devem escolher preferencialmente gorduras "saudáveis", evitando as gorduras saturadas e processadas que existem em muitos alimentos. Alguns exemplos a escolher são, entre outros, o azeite, os peixes gordos, a gema do ovo e o leite (preferencialmente materno).
Por fim, gostaria apenas de partilhar algumas das conclusões de um estudo realizado em Portugal em 2012 com crianças dos 0 aos 3 anos (representativo da nossa população), que foram as seguintes: os nossos meninos comem calorias a mais, proteínas a mais e gorduras a menos.
Como disse alguém um dia, "já agora, vale a pena pensar nisso"...