Translate

Etiquetas

domingo, 16 de agosto de 2015

Há limites para a privacidade dos adolescentes?

Essa é uma pergunta muito difícil, mas obviamente que há. A dificuldade é saber onde é que ficam esses limites...
Quando as crianças crescem e passam a tornar-se adolescentes, a necessidade de privacidade aumenta exponencialmente, porque a autonomia e a busca pela independência assim o exigem. É difícil perceber que os filhos se estão a afastar, mas esse é o ritmo normal da vida. Mesmo sabendo que eles nem sempre vão tomar as melhores decisões, a vida é deles e não podem ser os pais a vivê-las pelos filhos. Todas as decisões têm riscos e os adolescentes têm que crescer a perceber que é assim mesmo. Nalgumas vezes vão decidir bem e noutras vão decidir mal, é assim para toda a gente.
No entanto, há um factor que não podemos descurar, que são as novas tecnologias. Elas escondem perigos grandes que não são fáceis de lidar, seja para as crianças seja para os pais e aqui tem que se ter cuidado. Quando falamos em telemóveis, e-mails e redes sociais, acho que deve haver espaço para algum controlo parental. O primeiro conselho é para o computador só ser utilizado em locais comuns da casa, como a sala ou a cozinha. Não é para "bisbilhotar" os que os filhos estão a fazer, mas apenas para retirar um pouco a sensação de inviolabilidade de quando se está por trás de um computador. Depois, acho que faz sentido que os pais sejam "amigos" dos filhos nas redes sociais, para ver um pouco as publicações que eles fazem, principalmente no início da adolescência. Mais uma vez o objectivo não é invadir a privacidade, mas sim tentar controlar um pouco o que eles partilham com as outras pessoas, que pode não ser o mais adequado.
Outras situações, como andar a "mexer" nós telemóveis dos filhos ou nos seus diários é absolutamente desaconselhado e não me parece a melhor prática. Aí é preciso guardar a curiosidade e ter esperança que o trabalho realizado nos anos anteriores surta o seu efeito. É a primeira grande prova a que a o "trabalho" dos pais feito nos anos anteriores está sujeita...

2 comentários:

  1. Boa noite, Dr. Hugo, tomei conhecimento do seu blog através de uma amiga, deixe-me desde já dar-lhe os Parabéns. Gostaria de pedir-lhe sugestões acerca de livros sobre adolescente e, conselhos para pais de adolescentes.
    Sou mãe de uma rapariga de 15 anos. Obrigada desde já pela atenção

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde,

      Existem bastantes livros no mercado, alguns até com boas ideias, mas a grande dificuldade é que não há regras universais para todos os adolescentes, pelo que tenho alguma dificuldade em indicar-lhe um ou outro.
      Pessoalmente gosto muito de um livro da Academia Americana de Pediatria que se chama "Caring for your teenager", mas penso que só existe em inglês. De qualquer forma, há livros portugueses também com muito boa qualidade. Apesar de não ser propriamente um livro para pais de adolescentes, acho que vale a pena ler "O fim da inocência", porque é o relato de uma história real (tem que ir preparada, porque é bastante "pesado") que não deve ser lido para ficar com medo, mas sim para conhecer um pouco o que nos rodeia.
      Cumprimentos

      Eliminar