Translate

Etiquetas

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Trabalhos de casa e actividades extra-curriculares

Os TPC são sempre um tema controverso, em relação aos quais as opiniões se dividem. Há quem os ache muito importantes, mas também quem os considere dispensáveis.
E as actividades extra-curriculares, serão exageradas? Será que as crianças precisam de tantas actividades?
Foi esse o tema de conversa no programa "Queridas Manhãs" de ontem.
Se não viu, pode ver o vídeo no link abaixo:


sábado, 23 de janeiro de 2016

Ao ano andante, aos dois falante

Muitas são as preocupações dos pais relativamente ao desenvolvimento dos filhos, mas há dois marcos que criam sempre alguma ansiedade: vê-los a dar os primeiros passos e a dizer as primeiras palavras.
Na nossa cultura existe um ditado que diz "Ao ano andante, aos dois falante", mas será bem assim?
Foi esse o tema do artigo que escrevi para a Bolsa de Especialistas da Visão e que pode consultar no seguinte link:


sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Segunda-feira é dia de "Queridas Manhãs"

A próxima segunda-feira é a última do mês e, como de costume, vou voltar ao programa "Queridas Manhãs" da SIC.
Desta vez será um tema bastante "quente" e pouco consensual, mas que merece ser debatido e discutido. 
Perguntas como "Com que idade é que as crianças devem aprender a ler?", "Qual a melhor idade para entrar para a Escola Primária?", "TPC: necessidade ou tortura?" serão alguns dos pontos da nossa conversa.
Não perca!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

2.500.000 de visitas!!!

Ultrapassámos ontem o fantástico número das 2.500.000 visitas.
A todos quantos contribuíram e contribuem para este crescimento, o meu MUITO OBRIGADO!
Continuemos, rumo aos 3.000.000!
 


 

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

A partir de que idade é que as crianças podem comer a mesma comida dos pais?

Essa é uma óptima questão, porque neste momento as recomendações falam em introduzir a chamada "alimentação social" a partir do ano de idade e, geralmente, acaba por ser essa a prática.
No entanto, é fundamental reforçar a ideia de que as necessidades nutricionais das crianças dessa idade são bastante diferentes das dos adultos, pelo que só faz sentido introduzir a alimentação dos pais se ela for saudável e adequada, o que nem sempre acontece. É por esse motivo que acho importantíssimo realçar junto dos pais a necessidade de terem uma alimentação equilibrada e saudável, até porque isso é a melhor opção para todos. Se for assim, as crianças podem e devem começar a comer a comida que os pais comem mais ou menos a partir dos 12 meses (com uma atenção redobrada aos alimentos salgados, doces e fritos, pois devem ser evitados o mais possível).

sábado, 16 de janeiro de 2016

A partir de que idade é que devo começar a dar semanada/mesada ao meu filho?

Depende da maturidade da criança.
Antes dos 6 anos parece-me muito precoce, mas a partir dessa idade pode fazer algum sentido. Com as crianças mais pequenas, a mesada/semanada não tem o propósito de lhes dar nenhum tipo de autonomia financeira, mas sim de os responsabilizar pelo gasto e poupança de dinheiro e para eles perceberem que a vida tem custos. Teria que ser um valor simbólico, apenas de carácter pedagógico e que sirva para eles valorizarem o dinheiro de forma diferente.

Na adolescência a questão já começa a ser um pouco diferente. Há também, como é óbvio, a vertente pedagógica da poupança, mas aí faz algum sentido trabalhar também a autonomização e responsabilização dos jovens, pois a adolescência é uma transição para a idade adulta e esses são processos que têm que ser desenvolvidos nesta idade. As solicitações na adolescência são muitas e é importante que os jovens saibam lidar com elas de forma sensata, equilibrada e que aprendam a fazer as suas escolhas de acordo com as circunstâncias de cada um.

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Com que idade é que devo levar a minha filha a uma consulta de planeamento familiar/ginecologia?

Depende...
Em princípio, se uma criança não tiver queixas não precisa de ir a um ginecologista, mas na adolescência pode já não ser bem assim. De um modo geral, a primeira ida ao ginecologista (ou médico de família, nas consultas de planeamento familiar) deveria ser antes da adolescente iniciar a vida sexual, o que levanta aqui alguns problemas práticos, nomeadamente a questão da partilha dessa informação com os pais, ao solicitar a consulta.
Para evitar esses constrangimentos, eu diria que os pais devem estar atentos e, quando começarem a perceber que a filha está a pensar iniciar a sua vida sexual, devem convencê-la a ir a um ginecologista sob o pretexto de saber se está tudo bem. Claro que essa consulta deve obrigatoriamente ter um momento a sós com o médico para abordar alguns assuntos pessoais e, desse modo, poder preparar uma vida sexual saudável, sem receios e devidamente protegida.
Se a criança/adolescente tiver alguma queixa do foro ginecológico, deve antecipar essa visita para tentar resolver o problema existente.

domingo, 10 de janeiro de 2016

Com que idade é que as crianças devem começar a fazer análises "de rotina"?

Essa é uma questão um pouco sensível, porque não há propriamente recomendações muito formais em relação a este tema.
No entanto, o primeiro ponto a reforçar é que fazer análises "para ver se está tudo bem" não é uma boa prática em Pediatria. Claro que, como em tudo, há algumas excepções e as duas principais são as seguintes:
- rastreio de falta de ferro - o ferro é o único mineral em falta nos países Europeus e também na América, pelo que a Academia Americana de Pediatria recomenda fazer a avaliação das reservas de ferro a todos os bebés com menos de 1 anos e, posteriormente, se houver défice de ferro confirmado. Em Portugal, a Direcção Geral de Saúde recomenda apenas a partir dos 12-13 anos, consoante o padrão alimentar, padrão menstrual e factores de risco para falta de ferro
- colesterol (dislipidémia) - se possível, a partir dos 2 anos deve ser feito um rastreio "oportunista" (se a criança colher análises por outro motivo deve-se aproveitar a oportunidade). Se houver factores de risco deve mesmo ser feito esse rastreio a partir dos 2-4 anos

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

App de pediatria para pais

Chegou o Inverno e, com ele, chegam também as doenças.
É nesta altura do ano que as crianças ficam mais vezes doentes e as dores de cabeça dos pais multiplicam-se. As dúvidas "Será que é grave?" ou "Será melhor ir ao médico?" são das mais frequentes e, por esse motivo, é fundamental esclarecer alguns pontos importantes.
É precisamente a pensar nisso que foi criada a App "Pediatria para todos" para Android, que está já disponível para download.

Nela encontrará as seguintes informações:
- doenças mais comuns (quais os sintomas e o que fazer)
- sintomas mais frequentes (o que fazer e quando procurar ajuda médica)
- medicamentos pediátricos (nomes comerciais, doses e informações importantes)
- calculadora da dose a administrar de cada medicamento, em função do peso da criança e da concentração de cada xarope
- sites e telefones úteis

Está disponível em versão PORTUGUESA, BRASILEIRA (incluindo o nome dos medicamentos do Brasil) e INGLESA.
É algo inovador, que as pessoas não estão habituadas a utilizar, mas que tem como principal objectivo servir de auxílio rápido quando a ajuda mais é precisa: nos momentos de doenças das crianças. Não pretende substituir uma observação médica, mas acredito que evite algumas idas desnecessárias aos serviços de saúde, com todo o risco que essas visitas acarretam em termos de contágio e tempos de espera.

Dê uma vista de olhos na Play Store e descubra todas as funcionalidades desta nova App!



domingo, 3 de janeiro de 2016

Como sobreviver às terríveis "viroses"?

Nesta altura do ano as "viroses" são um grande motivo de preocupação para os pais e, por esse motivo, faz todo o sentido perceber o que são e o que se pode fazer para lidar melhor com elas.
Foi precisamente esse o tema que escolhi este mês para o meu artigo do site da Visão.
Se não o leu, pode fazê-lo no seguinte link:



sábado, 2 de janeiro de 2016

Feliz 2016!

Espero que o ano que agora entrou venha repleto de sucessos, alegrias e muitos sorrisos!
Feliz Ano Novo!