Translate

Etiquetas

quinta-feira, 31 de março de 2016

Dor de barriga, vómitos... O que fazer?

Na passada segunda-feira estive no programa "Queridas Manhãs" da SIC e estivemos a conversar sobre "dores de barriga e vómitos".
Se não viu, pode ver o vídeo aqui.


sexta-feira, 25 de março de 2016

A próxima segunda é a última do mês!

A próxima segunda-feira é a última do mês e, como habitualmente, vou estar no programa "Queridas Manhãs" da SIC.
Desta vez vamos falar de dores de barriga, vómitos e diarreia. No fundo, situações extremamente frequentes e que preocupam muito os pais quando surgem...
Não perca!

segunda-feira, 21 de março de 2016

O meu filho gosta de ver televisão muito perto - será normal?

Quase todas as crianças pequenas gostam de ver televisão de muito perto e, na maior parte das vezes, isso não tem nenhum significado. Provavelmente tem a ver com a atracção que lhes provocam as luzes e as cores, mas pode também ser para ouvir melhor, por exemplo.
De qualquer forma, mesmo sendo algo habitual, é importante perceber que, numa pequena percentagem de casos, isso pode acontecer porque a criança vê mal e aí é importante fazer uma avaliação da visão. A principal pista é o comportamento da criança quando é afastada da televisão. Se ficar tranquila acho que se pode aguardar para fazer o rastreio oftalmológico "normal", ou seja, por volta dos 3 anos (ver post sobre esse assunto aqui). Se, por outro lado, a criança perde o interesse ou volta imediatamente para a frente da televisão, é um sinal de alarme que deve ser levado em atenção. Nesses casos as crianças devem ser observadas mais cedo por um oftalmologista pediátrico para tentar perceber se está tudo bem...

sexta-feira, 18 de março de 2016

A partir de que idade é que as crianças podem começar a comer queijo?

O queijo é um bom alimento, desde que não seja demasiado gordo e que seja consumido com moderação.
No entanto, pode conter bastante sal e esse é um dos principais aspectos a ter em atenção. Como o sal só deve ser introduzido depois dos 12 meses (e o mais tarde possível - pode ler um post sobre esse assunto aqui), antes dessa idade não se deve dar por rotina. Mesmo depois deve-se sempre escolher um queijo pouco salgado, para não "deseducar" o paladar da criança, numa fase em que ainda está a aprender os diferentes sabores. Para além disso, convém reforçar também a ideia de que as quantidades devem ser adequadas, para não se cometerem exageros, que são bastante frequentes...

quinta-feira, 17 de março de 2016

5 razões para não ter medo da tosse

A tosse é um sintoma extremamente frquente e com o qual todos os pais lidam no seu dia-a-dia.
Há muitos receios relativamente a ela, mas é importante perceber que na maior parte dos casos nem sempre se justificam.
Foi precisamente por isso que decidi escrever sobre este tema no meu artigo mensal para o site da Visão.

Se não o leu, pode fazê-lo aqui.


terça-feira, 8 de março de 2016

O que é uma hérnia umbilical?

As hérnias umbilicais são bastante frequentes e, apesar de esteticamente não serem bonitas, não colocam nenhum problema aos bebés e crianças que as têm.
Detecta-se muito facilmente, porque basta olhar para o umbigo e perceber que ele está mais "saliente" do que era suposto. Por vezes é pequena, mas pode ter dimensões grandes e quase sempre aumenta com o choro, a tosse ou o aumento da pressão na barriga. No entanto, não tem nenhum risco de poder rebentar ou provocar dor, pelo que se trata de uma situação que não apresenta nenhuma complicação. Geralmente sente-se uma espécie de "borbulhar" quando se carrega na hérnia, que é perfeitamente normal.
Há uns anos atrás era muito frequente colocar umas cintas a esses bebés (por vezes até com uma moeda para "segurar" a hérnia"), mas actualmente sabe-se que esse tipo de medida não tem nenhuma eficácia, pelo que não se deve fazer.
A grande maioria das hérnias umbilicais resolve espontaneamente até aos 4-5 anos, com o desenvolvimento dos músculos abdominais e até essa idade não requer nenhum tipo de tratamento. Se a situação não se resolver até aos 5 anos, a criança deve ser avaliada por um cirurgião pediátrico, para poder ponderar uma eventual correcção cirúrgica.