Translate

Etiquetas

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Dicas para quem vai de férias com crianças

Verão é sinónimo de férias para grande parte das pessoas mas, quando se viaja com crianças, é preciso ter alguns cuidados particulares.
Foi esse o tema que escolhi para o meu texto deste mês do site da revista "Visão" e que pretende dar algumas dicas para poder usufruir melhor das suas férias em família.

Se não o leu, pode fazê-lo aqui.

O que fazer perante um escaldão (queimadura solar)?

O primeiro aspecto a reforçar é que todos as queimaduras solares devem ser evitadas e isso pode-se conseguir através de uma série de medidas de protecção, que enumerei já num post sobre esse assunto (pode consultá-lo clicando aqui).
No entanto, se mesmo assim o seu filho apanhar um "escaldão", deve tomar as seguintes precauções:

  • aplicar um creme pós-solar, que geralmente tem um efeito calmante e reparador
  • passadas algumas horas pode começar a aplicar um creme restaurador hidratante, de preferência com bastante vitamina A e E (e também zinco); deve aplicá-lo, pelo menos, 2-3 vezes por dia
  • dar medicação para as dores e/ou comichão, se necessário
  • usar roupas leves e de algodão (de preferência brancas), para não "irritarem" a pele
  • dar banhos mais curtos e com água mais tépida (pouco quente)
Mesmo depois de passar a queimadura deve continuar a a hidratar bem a pele, para ajudar na sua regeneração.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Será que o meu filho é hiperactivo?

Na passada segunda-feira estive no programa "Queridas Manhãs" e o tema foi a Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção. 
É um tema muito actual é que levanta muitas questões, pelo que se não viu a entrevista, pode fazê-lo clicando no link abaixo:


sábado, 23 de julho de 2016

3.500.000 de visitas!

Ontem atingimos o fantástico número de 3.500.000 visitas!
A todos quantos contribuíram (e contribuem) para chegar aqui, o meu MUITO OBRIGADO!
Continuemos, rumo aos 4.000.000...

quinta-feira, 21 de julho de 2016

O que é a intolerância à lactose?

A intolerância a lactose é a dificuldade em fazer a digestão do açúcar presente no leite, que se chama lactose. Para fazer essa digestão, utiliza-se uma enzima que é produzida no intestino e que se chama lactase, mas há algumas pessoas que não produzem essa enzima em quantidade suficiente. Assim, vão ser incapazes de digerir a lactose e vão ter os sintomas derivados dessa dificuldade e que podem ser:

  • gases em excesso
  • barriga inchada
  • dor de barriga
  • diarreia frequente.
  • desconforto com o consumo de leite e derivados

Existe uma grande variabilidade nas manifestações, porque tudo depende do nível de enzima que a pessoa produz. Quem produz mais enzima vai tolerar a ingestão de uma quantidade maior de leite e derivados do que quem produz menos.
Na suspeita de haver uma intolerância à lactose a solução é só uma: reduzir a ingestão de lactose. A maior fonte desse açúcar é o leite, pelo que se deve trocar para um leite sem lactose (seja leite adaptado ou de vaca). Os outros produtos lácteos (iogurte e queijo, por exemplo) são fermentados e têm muito pouca lactose, motivo pelo qual geralmente não é necessário retirá-los da dieta, exceto se causarem mal-estar quando consumidos. Se com estas medidas simples a criança melhorar, fazemos o diagnóstico e deve-se manter a dieta sem lactose, pelo menos temporariamente (cerca de 8 semanas). Depois desse período reintroduz-se o leite habitual da criança, sempre de forma progressiva e sob vigilância, observando se não surgem novamente sintomas de intolerância.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

O meu bebé tem as unhas dos pés a "descamar" - será normal?

Esta é uma dúvida extremamente frequente nas consultas, porque realmente é algo muito comum.
Na maior parte das vezes não tem nenhum tipo de problema e deve-se apenas ao facto das unhas serem ainda "imaturas" e os ligamentos que as compões estarem pouco desenvolvidos. Esta situação atinge mais frequentemente os dedos grandes dos pés e a unha fica com uma espécie de um traço a todo o comprimento e começa a "descascar" acima desse local, mantendo uma unha mais fina por baixo. Não exige nenhum tipo de tratamento e tem tendência a corrigir com o crescimento.
No entanto, há algumas alterações um pouco diferentes mas que se podem confundir, pelo que é importante levar o seu filho ao médico se a unha:
- ficar amarelada ou mais escura
- ficar mais grossa
- começar a "encravar"
Não é habitual surgirem estas queixas, mas se acontecer implicam sempre uma observação médica.

A não perder no dia 25 de Julho...

No próximo dia 25 de Julho é a última segunda-feira do mês e, como habitualmente, vou estar no programa "Queridas Manhãs" da SIC.
Desta vez vamos falar sobre Hiperactividade e défice de atenção, um tema muito actual e controverso...
Não perca!

quinta-feira, 7 de julho de 2016

O que é uma otite serosa?

O ouvido médio é uma cavidade que se situa por trás do tímpano (membrana fina que existe dentro do canal auditivo e das orelhas) e que, em condições normais, está preenchida por ar. No entanto, há situações que fazem com que se acumule líquido nessa cavidade e, se o organismo não for capaz de o eliminar, vai acabar por preenchê-la completamente.
Quando isso acontece diz-se que estamos perante uma otite serosa, que nada tem a ver com a acumulação de cera, mas sim com a acumulação de líquido dentro do ouvido médio.
Como é uma situação que evolui lentamente não provoca nenhum tipo de sintoma (dor de ouvidos, dor de cabeça ou febre, por exemplo) e pode mesmo passar despercebida à criança e aos pais. A única consequência que pode ter é a diminuição da audição, o que pode ter repercussão a nível do desenvolvimento da linguagem.
O diagnóstico é feito pela observação médica e, também, pelo recurso a um timpanograma. Este exame permite ver se o tímpano se mexe ou não quando estimulado, pois quando isso não acontece significa, geralmente, que existe líquido no ouvido médio. Muitas vezes faz-se também um audiograma, que permite avaliar a audição da criança e, desse modo, perceber se esse líquido traz complicações ou não para ela.
O tratamento passa por tentar ajudar na drenagem do ouvido, abrindo uns canais que existem naturalmente (trompas de Eustáquio) e que unem o ouvido médio ao nariz. Estes permitem a limpeza natural dessa cavidade, ajudando a eliminar qualquer líquido que se vá depositando. Os medicamentos que podem ajudar são de dois grandes tipos: anti-histamínicos e sprays de corticóide (derivados da cortisona), mas ambos devem sempre ser administrados sob prescrição médica. Por vezes a medicação não resolve o quadro e torna-se necessário o recurso a uma cirurgia em que se colocam uns "tubinhos" nos ouvidos para ajudar a drenar o líquido, mas essa será sempre uma decisão a tomar caso a caso por um otorrinolaringologista.

sábado, 2 de julho de 2016

5 mitos sobre as vacinas

As vacinas são um tema que está rodeado de muitos mitos, alguns dos quais se vão perpetuando sem se perceber muito bem como nem porquê.
Foi por esse motivo que escolhi este assunto para o meu artigo do site da revista Visão deste mês.
Se não o leu, pode fazê-lo aqui.