O que são as perturbações do espectro autista?

A designação perturbações do espectro autista veio substituir o termo “autismo”, pois na verdade não se trata de um diagnóstico único, mas sim de um conjunto de situações que partilham manifestações comuns entre si.

São um grupo muito heterogéneo de doenças que afectam o neurodesenvolvimento das crianças. Afectam caracteristicamente as seguintes áreas:
Socialização
Este é dos achados mais característicos deste grupo de doenças. São crianças que não demonstram interesse na interacção com os outros e que muitas vezes evitam o contacto ocular. Este é um aspecto que surge cedo no desenvolvimento e que muitas vezes é interpretado erradamente como sendo crianças muito “calmas” e que “não perturbam”.
Comunicação
A comunicação e a socialização estão claramente interligadas. Nestes casos, são as duas vertentes da comunicação que estão afectadas: a verbal e a não verbal. Relativamente à comunicação verbal, são crianças que apresentam, muitas vezes, atrasos no desenvolvimento da linguagem e que interpretam tudo de forma literal, sem conseguir entender o segundo sentido de algumas expressões. Quanto à linguagem não verbal, é um dos seus grandes problemas, pois apresentam muitas dificuldades em descodificar o estado emocional das outras pessoas.
Desenvolvimento motor
É frequente o desenvolvimento de maneirismos e estereotipias (movimentos repetidos, que funcionam como comportamentos de auto-estimulação) e que surgem, habitualmente, quando a criança se encontra mais ansiosa (muito feliz ou irritada, por exemplo). Para além disso, é comum haver algum atraso motor, caracterizado por dificuldades na destreza motora.
O prognóstico destas situações é extremamente variável, havendo crianças que são autónomas e independentes no seu dia-a-dia e que apresentam apenas algumas dificuldades na interacção social e também situações muito mais graves, com dependência total dos cuidadores. 
Neste tipo de perturbação o tempo conta muito, pelo que é fundamental um diagnóstico precoce e, acima de tudo, uma orientação atempada para as diferentes terapias (terapia da fala, terapia ocupacional, fisioterapia, …), de forma a optimizar a intervenção e melhorar o mais possível o prognóstico.

Comentários

  1. Bom dia, o meu filho tem 2 anos e parece ter uma interacção social que me parece normal, faz contacto visual, interage com as pessoas, é afectuoso e gosta de mimos, já diz imensas palavras e percebe o que dizemos, é expressivo, é bastante activo, no entanto, desde muito bebé que se balança, mete-se de "gatas" e balança-se para a frente e para trás. Inicialmente achei que não tivesse importância esse comportamento até a creche me alertar de que ele por vezes a meio de uma actividade ia-se pôr no chão a balançar. Mais recentemente, reparei que tem outras atitudes repetitivas embora não sistematicamente. Por exemplo quando o vou buscar à escola gosta de fazer um passeio pela rua, vai todos os dias pelo mesmo caminho e para voltar para trás quer passar pelo mesmo sítio por onde tinha ido. Por vezes repete imensas vezes o nome "mota" que é um brinquedo que gosta muito. Quando está mais agitado anda com os carrinhos ou mota para trás e para frente repetidamente enquanto se balança mesmo sentado, e outras vezes ainda além de se balançar bate com a cabeça no encosto da cadeira ou sofá.
    Poderá dizer-me a sua opinião acerca destes comportamentos? Devo consultar algum especialista? Qual? De que área?
    Antecipadamente grata pela resposta.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário